Ponte para o século XXI


Depoimento. Jornal do Brasil, 1988


"A cidade como fonte. Fonte de angústia, fonte de formas, luzes e fantasias. Uma orquestra de sons e ruídos, a sirene, o alarme, vozes, palpitações, apelos. O poste, as linhas, as massas, a expectativa de um verde no sinal luminoso. Fonte de expressão, excitante, envolvente, comprimido, sufocado. É preciso conviver com a cidade, com a poluição, o movimento, a melodia dos gestos, o inesperado, a surpresa, o ritmo, os enigmáticos botões. As janelas sobre as ruas, o disse-me-disse. A cidade como resíduo, porque ela é isso também: detrito, enxurrada, experiências do processo de vida. Imagens distorcidas, fragmentadas em espasmos, gritos, gemidos. Um receptáculo. Um escoadouro vazando vida, notícia. Um salto para a liberdade, uma forma de escapar. Uma linguagem com seu alfabeto. Essa cidade é a fonte do meu trabalho."

Mauricio Salgueiro