“Urbis Flagelada”


Frederico Morais. De a Poética da Máquina Capítulo V – a série Urbis: 1964 – 1969


“Urbis Flagelada” guarda em seu brutalismo a memória traumática do temporal que atingiu o Rio, em janeiro de 1966, inundando diversos bairros e regiões, provocando a morte de 200 pessoas e 30 mil desabrigados em mais de mil desabamentos de casas e edifícios e deslizamentos de terra em morros e encostas. A enxurrada que desceu da Ladeira do Ascurra, trouxe até a porta do atelier de Salgueiro, no Cosme Velho, travas de madeira, algumas já parcialmente carcomidas pelo cupim, mas ainda vigorosas. Com essa madeira que lhe chegou com a violência da chuva, mais fiação elétrica, robustos isoladores cerâmicos, sucata metálica e placas de cupim resinado, Salgueiro construiu dois conjuntos, interligados, expostos e premiados naquele mesmo ano na I Bienal da Bahia...